Saiba como Abrir uma Empresa Factoring e de Fomentos Mercantis

 

Operações de Factoring têm crescido no mercado nacional, surgindo como alternativa para micro e pequenas empresas, muitas com dificuldade de acesso à linhas de crédito convencionais. Saiba como abrir sua empresa Factoring.

Operação de Factoring, para quem ainda não sabe, é a prestação contínua de assessoria mercadológica, análise riscos, gestão de crédito, contas a receber, contabilidade, controle do fluxo de caixa, orçamentos de custos e muitos outros serviços relacionados.

Como é possível perceber, são todas operações com um certo grau de risco, principalmente porque você está se envolvendo com fomentos mercantis importantes. Por isso, além de saber as regras deste importante mercado, é preciso também pensar na contabilização de operações de Factoring.

Neste artigo, você vai saber um pouco mais sobre o que é Factoring e sua importância no mercado e vai entender também como abrir a sua empresa e a importância da contabilidade para empresa de fomento e Factoring​. Confira.

O que é e Como Funciona o Factoring?

O fomento mercantil na verdade envolve 3 pontos importantes que você precisa saber:

  • Factor: referente à compra do crédito;
  • Aderente: é a empresa que vai ceder seus valores/ativos para a troca e/ou adiantamento;
  • Devedor: quem vai pagar por estes ativos, comprando-os do Aderente.

Para um melhor entendimento, vamos supor que uma determinada empresa de produtos/serviços, que recebeu encomendas muito maiores do que de costume, precise de um capital extra para cumprir com estas mesmas encomendas e entregas junto aos seus clientes.

Esta empresa que precisa do capital será a Aderente. Seus clientes, que fizeram as encomendas, os Devedores e quem vai ceder o capital necessário é o Factor.

Resumidamente, o principal objetivo de uma empresa de factoring é exatamente o fomento mercantil que ela gera. Isto quer dizer que esta empresa vai conseguir estimular e assessorar o crescimento de muitas outras empresas, principalmente as de pequeno e médio portes, que são as que mais necessitam de crédito.

E de que forma faz isso? Na maioria das vezes antecipando créditos gerados por vendas a prazo, por exemplo, factoring títulos de crédito, descontos de duplicatas, etc. É sim uma atividade de altíssima complexidade, envolve riscos e une prestação de serviços com a compra de ativos.

Este processo exige cautela, análises, acompanhamento de uma empresa de contabilidade, entre outras ações pertinentes.

Porque a Contabilidade para Factoring é Importante?

A maioria dos empresários acreditam que a principal importância da contabilização factoring está na identificação das melhores estratégias para se conseguir economizar em pagamentos de tributos, por exemplo, mas não é só isso não.

A tomada de decisão depende muito da contabilidade, além do auxílio quanto aos tributos à serem pagos. A contabilização precisa para uma empresa de factoring é de vital importância para o sucesso de seus negócios.

Contabilidade de factoring vai ajudar sua empresa frente às auditorias que ocorrerem, muitas provenientes da Receita Federal, no rastreamento de despesas, orçamentos, a correta contabilização e registros, documentações legais, entre outros, e tudo isto é o alicerce de qualquer tomada de decisão.

Qual o Melhor Regime Tributário para o Factoring?

Podemos considerar que o factoring soma prestação de serviços com aquisição de ativos financeiros. Segundo a legislação brasileira que regulamenta as factorings, todas as empresas da área precisam e devem ser enquadradas no regime tributário de Lucro Real.

Neste tipo de tributação, o factoring é taxado sobre o lucro líquido do período de apuração, ou seja, os encargos tributáveis crescem ou diminuem conforme a respectiva apuração do lucro obtido naquele ano contábil.

É sobre este valor que ocorrerá as tributações do IRPJ – Imposto de Renda de Pessoa Jurídica e do CSLL – Contribuição Social sobre o Lucro Líquido. Neste regime de tributação ainda, a empresa de factoring pode ter, no período contábil, o chamado Prejuízo Fiscal e, neste caso, fica desobrigada do pagamento das contribuições.

Como Abrir a Minha Empresa de Factoring – Fomento Mercantil?

Todo o processo de abertura de empresa, CNPJ, Junta Comercial, etc., é bem parecido ao de constituir uma empresa de outro setor qualquer. As diferenças básicas estarão presentes na área de atuação e no objeto social da empresa de factoring.

Aqui também é bom lembrar da importância da contabilidade, desde a abertura, opção de tributação e muitos outros direcionamentos contábeis. Neste processo de abertura ainda, você precisa estar ciente:

  • Capital social Mínimo

Ele não é estipulado. No entanto, a ANFAC – Associação Nacional de Fomento Comercial recomenda e indica o valor inicial de 100 mil reais para o registro no respectivo contrato social.

  • Factoring pode ser Considerada uma Instituição Financeira?

Não, empresas de factoring não são consideradas instituições financeiras e nem tão pouco precisa da autorização do Banco Central. Isto posto, torna-se por ciência que este tipo empresa jamais poderá realizar operações de empréstimos ou algo relacionado.

  • Uma Empresa Factoring tem que pagar todos os outros Impostos?

Sim, normalmente como qualquer outra empresa, tanto no âmbito federal como municipal. Os impostos relacionados são o ISS, PIS, COFINS, CSLL e o IRPJ. Estes dois últimos, inclusive, já citamos logo acima.

  • Sou Obrigado a me filiar à ANFAC?

Não exatamente, mas é muito importante que você faça isso. A ANFAC é a principal entidade representativa do segmento de fomento comercial no país. Para se filiar, a factoring precisa estar aberta e totalmente formalizada. Confira os documentos necessários:

    • Cópias do balancete;
    • Contrato social já registrado na Junta Comercial;
    • CNPJ;
    • Comprovante do cadastramento no COAF – Conselho de Controle de Atividades Financeiras.
  • Quais os custos envolvidos para abrir uma empresa de factoring?

Você precisa considerar todo o investimento necessário com estrutura, contratação de equipe de trabalho, capital de giro, equipamentos como cadeiras, mesas, computadores, periféricos, armários, suprimentos de escritório, entre outros.

Como já dito, segundo a ANFAC, o valor inicial mínimo deve ser de 100 mil reais, valor este que deve constar no contrato social. Por outro lado, muitos empreendedores utilizam uma verba inicial maior, entre 150 a 200 mil reais.

O espaço físico não precisa ser tão amplo, mas você precisará pensar em recepção, salas de reunião, entre outros.

×